terça-feira, 22 de maio de 2018

HERÓICA DECISÃO (1)


                                              
“Porém, se vos parece mal servir ao Senhor, escolhei hoje, a quem sirvais; se aos deuses a quem serviram vossos pais que estavam dalém do Eufrates ou aos deuses dos amorreus em cuja terra habitais. Eu e a minha casa serviremos ao Senhor” (Josué 24:15).
        INTRODUÇÃO:      
        Um dos assuntos mais tratados hoje na sociedade evangélica (pelo menos aqui no Brasil) é sobre a família. Normalmente vemos preletores tratando sobre esse tão importante assunto. Não estou em nada criticando, porque eu sei o quanto o mundo cruel está lutando para desmanchar a família e implantar um sistema diferente na sociedade. Considero esse assunto de fundamental importância e dou graças a Deus por homens, pastores sérios que têm se aplicado em ajudar na unidade dos casais e dos filhos, para o bem da sociedade. Todos nós sabemos que a família não foi uma invenção humana, porque se fosse satanás não lutaria contra. A família é uma extraordinária benção de Deus e veio a ser estabelecida antes da entrada do pecado. É claro que a queda do homem fez um estrago terrível na família, conforme podemos perceber na história bíblica, na história da raça e muito mais agora nesta geração tão corrompida, na qual vivemos.
        Eu não creio que o lidar com a família vai resolver nossos problemas sociais em nossos dias. Veja bem que não estou condenando o assunto. Eu não creio que esse é o tema central no ensino bíblico. Vejo com clareza que a bíblia vai diretamente aos corações, usando a pregação do evangelho e não à uma convivência familiarmente boa. Ora, o mundo está cheio de boas famílias; no mundo inteiro há famílias que funcionam (olhando do ponto de vista social) melhor do que muitas famílias cristãs. Não pensemos que a sociedade nos dias de Noé não tinha família, porque nosso Senhor afirma que eles casavam e davam em casamento. Foi assim também em Sodoma e Gomorra, e creio que uma das razões que tanto a mulher de Ló queria ir para lá é porque as filhas teriam assim oportunidade de conseguir casamento. Mas a verdade é que, tanto nos dias de Sodoma e Gomorra, como nos dias de Noé o castigo de Deus veio do céu e destruiu tudo.
        A meu ver o que precisamos não lutar pela família, mas sim por conversões genuínas. Quando Josué emitiu as palavras no texto acima, ele falava para homens que tinham suas famílias e as prezavam muito. A luta de Josué com Israel, quando ele estava prestes a morrer, não foi pela unidade da família, mas sim para que aqueles homens com suas famílias servissem ao Senhor e não aos ídolos. Essa era a decisão que daria postura certa na família e faria a nação sobreviver. Josué não se ocupou com a família em si, mas sim com a glória de Deus e isso era o segredo do sucesso. Quando vejo programações feitas para encontro de casais (falo isso porque já realizei muitas), para mim vejo mais como tempo de romance e não de avivamento e quebrantamento. Estamos num mundo quando satanás está fazendo um esforço descomunal, a fim de colocar tudo de cabeça para baixo. As mulheres estão ocupando o lugar e responsabilidade que pertencem aos homens e isso tem trazido consequências drásticas para a família.
        Para encerrar esta primeira página, afirmo que nossa ocupação hoje (no ministério, óbvio) deve ser a causa do evangelho. A razão única é que se tivermos mais crentes sinceros, teremos melhores famílias. Se homens sinceros se converterem ao Senhor, mais aptos eles serão para dirigirem suas famílias. Se examinarmos bem o livro de Juízes, veremos que após a morte de Josué não demorou em que a nação de Israel se desviasse do Senhor, para adorar os ídolos das nações. Tinha família? Tinha! Mas tudo funcionava sem Deus, por isso faltava liderança de homens de fé nos lares. O que Israel precisava? Os profetas foram erguidos para falar dos problemas das famílias? Não! Eles se ergueram para anunciar que Israel tinha se afastado do Senhor, por isso as exortações vinham para que a nação voltasse para Deus.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

OS QUEIXUMES PECAMINOSOS DOS HOMENS (11 de 11)


               
“De que pois, se queixa o ser vivente? Queixe-se cada dos seus próprios pecados”  (Lamentações 3:39).
A RESPOSTA DE DEUS ÀS NOSSAS QUEIXAS: “...queixe-se...”
        No texto em Lamentações vemos como deve ser a atitude certa do homem, suas queixas devem atingir seus pecados; deve ele estar voltado para si mesmo e apontar suas armas contra suas próprias maldades. Nossas queixas devem aparecer em forma de profundo arrependimento, pois devemos olhar nosso passado, o que fizemos contra Deus e contra nosso próximo. Devemos lembrar que acumulamos tanta maldade, de tal maneira que não como conta-las e que só o sangue do Cordeiro de Deus é capaz de arrancar essas nódoas do mal que envenena nossas almas.
        As nossas queixas devem estar voltadas contra nossos pecados, em tom de confissão. Que não tenhamos dó de nossas maldades; que não acobertemos tudo com manipulações e até meios religiosos, na tentativa de encobri-las. A vida de Davi mostra o modelo de uma alma confessa, porque assim que, à luz da verdade pode ver suas maldades, caiu em pranto perante o Senhor. Ele não deixou seus pecados em paz no íntimo; ele não construiu uma casinha na alma para acomodá-los. Ele levou-os consigo perante o único que podia tratar com aquelas maldades, por meio do perdão e da purificação. Ah! Quanto o homem moderno está sendo iludido com falsas conversões! Quantos são alimentados com o pensamento de que vão para o céu, somente porque fizeram uma decisão para Cristo, quando suas vidas continuam na maldade e nem sequer sabem o que significa amor total por Cristo.
        As nossas queixas devem estar voltadas para nossos pecados em tom de confissão. Foi isso o que Jeremias quis dizer, que ainda havia esperança, caso se humilhasse perante Deus. Ali estava o todo-poderoso, mostrando o quão aterrorizante é cair em suas mãos; o quanto ele era compassivo, longânimo, mas grande em mostrar sua ira, como realmente mostrou destruindo Jerusalém. Não era momento para olhar a situação de forma política, mas sim olhar para cima e saber que essa calamidade veio de Deus. Há esperança? Claro! Enquanto os homens estão vivos há esperança sim! Enquanto o sol da misericórdia brilha sobre suas cabeças há esperança.
        Quando Judá se humilhou perante José e mostrou sua inteira disposição de sofrer em lugar do seu irmão e para não ver mais o sofrimento do seu pai, foi assim que ele pode ver o rosto bondoso e gracioso de José, estendendo a ele e aos seus irmãos o perdão tão precioso. Quando só há escuridão ao nosso derredor; quando só há desespero, é nessa circunstância que é podemos erguer a cabeça e ver a luz da face misericordiosa de um Deus compassivo e fiel. Quantos homens foram erguidos na salvação!
        Todos que foram elevados à grandeza da graça salvadora, tiveram que se humilhar. Homens precisam saber que merecem o inferno; que estão aqui neste mundo ainda, porque há um Deus, cuja compaixão é admirável e que brilha como sol. Em sua palavra ele mostra o quanto essa verdade funciona, porque milhões e milhões foram alcançados assim. E você, meu amigo? Já foi achado pela graça salvadora do Senhor? Caso ainda não foi, eis que agora a mão do Senhor está estendida para salvar a alma arrependida e confessa!

sexta-feira, 18 de maio de 2018

OS QUEIXUMES PECAMINOSOS DOS HOMENS (10 de 11)



“De que pois, se queixa o ser vivente? Queixe-se cada dos seus próprios pecados”  (Lamentações 3:39).
A RESPOSTA DE DEUS ÀS NOSSAS QUEIXAS: “...queixe-se...”
        Homens e mulheres arrependidos diante de Deus hão de confessar suas queixas; vão admitir que são culpados. Homens e mulheres arrependidos vão entender humildemente que estão vivos porque o sol da misericórdia divina brilhou sobre suas cabeças. Por que devemos viver mais aqui? Que direito temos nós de andar, respirar, alimentar, passear, beber e divertir, quando nossas culpas são grandes? O Senhor Deus é obrigado a nos manter vivos neste mundo? A quem pertence a terra? Não é ela do Senhor e nós somos miseráveis peregrinos nela? Que direito temos?
        Compreendendo essas coisas é óbvio que devemos estar voltados com nossas queixas para nossos pecados; devemos atingi-los, condená-los e odiá-los. Quando entendemos as coisas à luz das Escrituras, então tudo muda; passamos a ver a vida sob o ponto de vista de Deus; reconhecemos que ele é Deus, com todo direito de Criador, soberano e Senhor. Se a casa é dele, então é direito dele varrer essa casa, tirando toda sujeira e removendo toda imundície. Sua criação veio à existência em santidade, perfeição, pureza e justiça; tudo revela sua glória e tudo lhe dá louvores. Mas homens e mulheres no pecado são obras do pecado e é o pecado que a tudo mancha e corrompe. Por que então o Senhor tem de nos suportar? Não tem ele o direito de arrancar ou queimar as ervas daninhas, os espinhos e abrolhos e árvores que não dão fruto?
        As nossas queixas, também devem estar voltadas para nossos pecados, olhando tudo o que fizemos em nosso viver. Quando não fazemos isso, então vivemos a chorar, amargurados pela situação na qual estamos. No pecado os homens ficam cegos para o passado; eles esquecem os caminhos pelos quais andaram e avançam à busca de novos caminhos cheios de emoções no pecado. Por esses caminhos tortuosos os homens ignoram a longa história de uma raça caída. Satanás amordaça a mente e controla as emoções; satanás cuida para que homens e mulheres desconheçam a verdadeira história da origem do homem na queda e impede que eles procurem saber o triste destino que vem após a morte. Que triste viver do pobre homem que vive a se queixar de sua condição! O engano do pecado faz com que eles esqueçam que acumularam tanta maldade e que estão acumulando muito mais.
        Ali estavam os sobreviventes de Jerusalém queixando da triste sorte! “Por que aconteceu isso conosco? Cadê nosso Deus? O que fizemos para merecer tanto sofrimento?” A resposta de Deus foi clara: “...queixe-se cada um dos seus próprios pecados”. Esqueceram das mensagens dos profetas; Esqueceram da aliança quebrada; não temeram ao Senhor e endureceram seus corações. E agora? Olha o que resta. Muitos pensam que as aflições podem converter os homens; muitos acreditam que nas trevas muitos se arrependem. Quanto engano! Os homens se queixam sempre e milhares no inferno ainda estão se queixando de Deus e para sempre vão queixar e ranger os dentes de ódio.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

A PERIGOSA HIPOCRISIA (8)



“Posto que miríades de pessoas se aglomeravam, a ponto de uns aos outros se atropelarem, passou Jesus a dizer, antes de tudo, aos seus discípulos; Acautelai-vos do fermento dos fariseus, que é a hipocrisia” (LUCAS 12:1)
CERCADOS DO PERIGO: “Acautelai-vos do fermento...”
        Não há dúvida que a hipocrisia religiosa é a mais perigosa e ardilosa arma do diabo para pegar as multidões. Na página anterior falei que ela torna os homens resistentes à verdade. Mas a situação é ainda mais agravante, porque promove meios mundanos de adoração. De forma habilidosa homens perigosos têm inventado novos meios para enganar o povo com suposta adoração a Deus. Na verdade eles se inspiraram na música mundana e nos shows, a fim de atrair a multidão. Nós sabemos o quanto a música é uma das armas mais poderosas da mentira de satanás, a fim de corromper os corações. Fomos criados para adorar a Deus; fomos criados na pureza, a fim de render louvores e graças em forma de cânticos ao nosso Criador. Mas o pecado corrompeu nosso Senhor e nos levou a ser adoradores de ídolos, com satanás escondido atrás de tudo, a fim de ser adorado.
        Agora satanás tem feito com que os homens pensem que estão adorando a Deus com o que eles chamam de louvor. Mas essa é a estratégia bem montada pelo pai da mentira, a fim de fortalecer os homens na hipocrisia. Quando conversamos com elementos atirados nesse meio, eles parecem bem espirituais, bem eufóricos e garantem que estão servindo a Deus. Mas quando chegamos perto, logo percebemos que há uma capa encobrindo seus corações absolutamente corrompidos. O que satanás fez foi encobrir a carnalidade, o mundanismo e o egoísmo dos homens com essas atividades. Ele vai além, porque os líderes costumam pregar, trazendo mensagens que enfeitam o viver religioso. Satanás é bem esperto em tomar versos bíblicos que tanto enchem os corações dos homens de superstições. Já ouvi mensagens de elementos desse tipo, mas suas mensagens eram tão bem trabalhadas, que não fosse um claro entendimento da teologia bíblica não haveria como descobrir quaisquer erros ali. Em geral eles costumam falar coisas boas, de que Deus está com eles e de que eles devem prosseguir vivendo no pecado.
        Satanás com destreza tem enfeitado os homens com hipocrisia e o mundo parece belo e atraente aos olhos de todos. Até mesmo pastores e denominações antes fortes e ortodoxas, agora cederam a esses costumes anti-bíblicos, porque veem nisso meios de encher suas igrejas. Conheci no Rio de Janeiro uma igreja da fé batista, ela havia perdido boa parte dos membros para esses tipos de cultos, e que estava tentando recuperar a igreja, trazendo os mesmos costumes mundanos. Quão perigoso é isso! Estamos vendo a montagem da hipocrisia e com isso é raro achar pecadores, porque todos se acham bem espirituais. Essa comunhão é mais social do que espiritual; ela tem como propósito fazer com que os homens fiquem melhores, mais sociáveis e simpáticos. Satanás quer fazer  com que todos sintam que pertencem a Deus; que Deus é um paizinho bondoso de todos; que o pecado não passa de um problema que pode ser resolvido aqui; que devemos ter simpatia com aquilo que Deus chama de maldade e até mesmo com práticas perversas dos homens.
        Qual é o resultado de tudo isso? Não vemos o mundo como um imenso salão de beleza espiritual? O alvo de satanás é montar seu mundo onde todos sintam felicidade no pecado; onde o mal é tratado como bem; onde a mentira é vista como sendo verdade e onde o que é santo, justo e puro deve ser lançado fora como se fosse venenoso. Assim a perversidade despontará quando a verdade vier à tona. Que o Senhor nos livre dessa festa do inferno. Que o Senhor nos traga o evangelho forte,  a fim de livrar os homens desse sistema enganador e destruidor que tanto tem se espalhado pelo mundo afora.

OS QUEIXUMES PECAMINOSOS DOS HOMENS (9)



“De que pois, se queixa o ser vivente? Queixe-se cada dos seus próprios pecados”  (Lamentações 3:39).
A RESPOSTA DE DEUS ÀS NOSSAS QUEIXAS: “...queixe-se...”
        As nossas queixas devem estar voltadas contra nós mesmos, porque somos nós os culpados; fomos nós que voltamos contra Deus e contra seu reino de santidade e amor. Somos atrevidos, a ponto de jogar a culpa em Deus; chegamos ao ponto de um arrogante atrevimento em desafiar o todo-poderoso, quando ele mesmo em santidade, justiça e juízo poderia acabar conosco de uma vez por todas. Boa parte de Jerusalém morreu em seus pecados. Ele em sua ira enviou o brasume do seu furor e exterminou Sodoma e Gomorra; ele derramou sua ardente ira quando despejou do céu chuvas tais que inundaram o planeta nos dias de Noé.
        Podemos nós queixar do Senhor? Mas é a tendência nossa fazer isso. Não raro fazemos isso contra nossos semelhantes, porque é muito fácil jogar nossas responsabilidades sobre os ombros de nosso próximo, achando que somos inocentes e ele o absoluto culpado. Foi assim desde o princípio, porque o homem jogou a culpa sobre sua esposa e ela atirou sua culpa sobre a serpente. Vejamos como o pecado anulou o amor genuíno, tanto em relação a Deus como em relação ao próximo. O fato é que Deus mostra com justiça nossa desobediência, rebelião e ingratidão. A soma de tudo isso é denominado de pecado. É nossa culpa de toda desgraça que vemos ao derredor; não podemos jogar a culpa sobre a criação, porque ela sofre agora aquilo que não merecia; os seres vivos agora respiram sobrevivência, por causa do terror ocasionado pela queda.
        Mas a culpa continuará sendo nossa. Por que sofremos na família? Por que vemos desgraças acontecendo com nossa posteridade? Por que a fome ameaça todos? Porque epidemias letais, a todo o momento ameaçam dizimar toda população? Não é nossa culpa? Culpar a Deus de que? Foi ele a causa de nossa situação tão caótica? Não é ele o Deus para sempre santo e justo? Não tem ele direito absoluto de limpar sua criação e purifica-la de tanta imundície? Não tem ele todo direito de fazer o que quiser e usar quem ele bem quiser, a fim de extirpar elementos inimigos da face da terra? Não tem ele o direito de usar as armas que ele bem quiser? Contra o mundo nos dias de Noé ele usou agua; nos dias de Abraão e Ló ele varreu Sodoma com fogo e enxofre; nos dias de Jeremias usou uma nação pagã e aterrorizante, a fim de punir Jerusalém e o mundo.
        Meu amigo, a culpa é totalmente nossa e não dele; ele será sempre justo, santo e reto. De nossa parte devemos prostrar-nos no pó, porque viemos do pó; ali nossa boca fica tapada, considerando que ele poderia muito bem tapar nossa respiração, e nos jogar com justiça no castigo eterno que tanto merecemos. Mas é no pó que podemos ouvir sua voz e ficarmos calados! Ele é Deus, eu sou um verme; ele é santo e eu sou imundo; ele é justo e eu sou indigno e infame. Foi essa a mensagem que Jeremias procurou transmitir a nós de forma inspirada. O mesmo Deus de Jerusalém é o Deus de agora, glorioso e soberano. A sociedade tão arrogante e rebelde de agora precisa saber dessas coisas, pois, quem sabe o Senhor fará o sol da sua compaixão brilhar sobre nós!