quinta-feira, 21 de setembro de 2017

DISPOSIÇÃO ATEISTA DOS HOMENS (11)




“Diz o insensato no seu coração: Não há Deus. Corrompem e praticam abominação; já não há quem faça o bem” (Salmo 14:1)
OS PROPÓSITOS OCULTOS DO CORAÇÃO MANIFESTADOS: “... praticam iniquidades”.
        O alvo do ateísmo prático é viver sem Deus no mundo, então tudo o que vem a seguir é “...praticam iniquidades”. O que significa praticar iniquidade? Será que estou aqui afirmando que todos os homens farão coisas terríveis? Serão todos adúlteros e fornicários? Não! Absolutamente não! Onde não há a glória de Deus, então tudo é iniquidade. O propósito da criação bem como da salvação é a glória de Deus. Ele deve ser temido, amado de todo nosso coração, força e entendimento. Sem isso há um ateísmo oculto no íntimo e que marcha com propósitos perigosíssimos.
        Então, o que é feito na iniquidade? Coloco em primeiro lugar o fato que é arrancada a lei de Deus. A lei e o governo de Deus agem como policiais, a fim de manter os homens aprisionados, enlaçados e algemados, caso contrário funcionarão como furacões do mal, no objetivo de destruir a todos. Essa lição é de grandiosa importância e aparece especialmente no Salmo 2. Ali vemos como o mundo inteiro declara sua intenção de não querer que Deus reine sobre ele. Os homens estão a todo instante lutando para soltar as amarras que vem de Deus, a fim de que se vejam livres, soltos e aptos para cometerem suas paixões. O que vemos hoje não é uma manifestação de alto grau de ateísmo prático?
        Eles estão lutando contra os princípios eternos, estabelecidos na criação pelo bondoso e amoroso criador. Vemos como estão lutando contra os lares, contra a posição da mulher, do homem, do adolescente, da criança, segundo os moldes santos do nosso Senhor; eles lutam contra o bem, a fim de promover o mal. A própria bíblia dá exemplos de como esse ateísmo prático funciona. Não podemos esquecer-nos de Israel no deserto, porque boa parte do povo estava irritada com a liderança de Deus e queria de qualquer maneira ter um líder que os comandasse para voltar para o Egito (Números 13 e 14). Outra notável ilustração está ali em 1 Samuel 8, quando a nação de Israel ignorou o Senhor e queria de qualquer maneira um rei, segundo o modelo das nações ao redor. Eles queriam a liderança humana porque seus corações eram sempre inclinados para o mal. Isso é ateísmo prático.
        As coisas mudaram em nossos dias? Será que os homens de hoje são melhores e mais dispostos a seguir a palavra de Deus? Claro que não! Eis aí o caminho da salvação; eis aí o convite de amor do evangelho, ordenando a todos, que homens e mulheres deixem seus pecados e corram para o Salvador e Senhor Jesus Cristo. É da natureza deles querer isso? Seus ouvidos anelam ouvir essa verdade? Claro que não! Eles, no íntimo estão dizendo que não toleram essa mensagem; que amam o caminho largo e que preferem este mundo com suas paixões e prazeres, mesmo sabendo no íntimo dos horrores eternos que enfrentarão. Eles não querem o Deus da bíblia em seus caminhos, por isso querem e têm prazer de viver sem Deus no mundo.
        Sempre Deus agiu com sua misericórdia em favor dos homens. Sempre foi a força da sua graça que superou todo esse horror do estado depravado e ateísta dos homens neste mundo. É o céu que vem à terra para derramar “chuvas de bênçãos” sobre elementos que merecem o inferno. Por essa razão ainda pregamos o evangelho e convidamos homens e mulheres ao arrependimento.

VIVER E MORRER (2)



                                            
“Porque para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro” (Filipenses 1:21)
O QUE NÃO SIGNIFICA “O VIVER É CRISTO”.
        Para que venhamos a entender o que realmente significa “o viver é Cristo”, creio que a melhor maneira de explicar é mostrando essa verdade de uma forma negativa. É claro que satanás aproveita a nossa natureza enganosa e corrompida, a fim de manipular a verdade, e assim de forma bem astuciosa nos afastar do Senhor, sem que percebamos. Em nossos dias o cristianismo se fundamenta mais em festas e emoções, do que num viver sóbrio, firmado numa vida cristã normal, tendo as Escrituras como nosso alicerce. Não podemos esquecer que a vida cristã é pela fé e a fé cristã tem a palavra de Deus como tudo o que precisa para aplicar em nossos corações.
                          CUIDADO COM O ENGANO DAS EMOÇÕES
        Por essa razão posso afirmar que “...o viver é Cristo...” não pode ser algo extraído das emoções. Por favor, não pense que estou contra as emoções, porque elas fazem parte de nossas vidas e são importantes. Mas o fato é que quando as emoções estão desligadas da verdade, elas funcionam como vagões de trem, os quais ficam paradas na linha, sem qualquer valor para transporte. As emoções tendem a se manifestar em ambientes onde acho que só funcionam se tudo for esquentado por elas. As emoções assim podem fazer muito barulho, achar muitas coisas belas e celebrar tudo com “améns e aleluias”. Mas são nuvens sem chuvas; elas nada produzem de fruto, porque são como solo que recebe a semente, mas que por falta de fertilidade, na produz.
        Cabe bem aqui aquele acontecimento em Nazaré (Lucas 4), quando Jesus entrou na sinagoga ali, foi à frente e tomou a palavra de Deus para explicar o que o profeta Isaías estava explicando num texto que referia à vinda do Senhor ao mundo.
Não significa uma definição fundamentada em emoções. Logo no começo todos ficaram embevecidos com as palavras proferidas por Jesus; todos ficaram encantados com a graça que ele expressava. Mas, a verdade é que suas emoções taparam a capacidade de avaliar as coisas à luz da verdade. Mas, assim que o Senhor começou a mexer nos erros deles e em suas meras e equivocadas opiniões religiosas, logo toda festa foi dissipada e eles se reuniram para pegar Jesus e atirá-lo num despenhadeiro. Isso só não aconteceu porque o Senhor Jesus escapou deles, porque ainda não tinha chegado a sua hora.
        Eu sei o quanto o sistema evangélico moderno tem se afastado da verdade. Por fora hoje tudo é festa e aparentemente espiritual. Mas o fato é quando a verdade chega como espada para penetrar nos corações, eis que o homem como ele é começa a aparecer em seu desprezo à palavra de Deus. Muitos hoje podem falar: “Para mim o viver é Cristo...”. Mas se não for uma confissão de fé, eis que essa declaração há de esvair e logo a carne volta a funcionar. Já lidei com muitos que agiram com repentina disposição de consagração, mas logo eis que as forças do mal, o amor ao mundo e plena disposição de agradar a carne se uniram com brados de vitória.
        A fé verdadeira controla nossas emoções; a fé subjuga o ego e faz com que habitemos na verdade, porque a vida em Cristo está instalada no coração.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

VIVER E MORRER (1)



                                     
“Porque para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro” (Filipenses 1:21)
      INTRODUÇÃO:
        No último feriadão de sete de Setembro, pude fazer uma viagem com a família até a cidade Blumenau, no estado de Santa Catarina. Fomos visitar minha primeira netinha. Passamos dois dias agradáveis ali e retornamos no fim de semana.  O que me chamou a atenção foi que feriadão mostrou a solicitude das multidões que viajaram longe, enfrentaram perigos nas estradas, a fim de curtir o que eles chamam de vida. Os mundanos veem vida numa praia, numa casa litorânea, numa visita aos amigos, num passeio de carro, curtindo uma saborosa refeição. Ora, em absolutamente nada estou contra essas bênçãos terrenas. Quem não gosta de passear, viajar, curtir praias, contemplar a natureza, visitar amigos e parentes, etc.?
        Mas a verdade é que os homens mundanos pensam que isso é viver e não morrer. Mas, quão diferente é o conceito de Paulo acerca de viver e morrer! Ali estava um homem preso e esperando o dia quando teria seu pescoço cortado, mesmo assim em sua carta aos filipenses ele demonstra alegria e exorta os crentes a sentirem a alegria do Senhor. Ao saber que iria morrer, eis que Paulo pode definir o que realmente significa viver. Tendo uma correta definição do que significa viver, então é certo que teremos uma definição do que significa morrer.
        Os mundanos definem que a vida é aquilo conforme apresentei antes, mas o fato é que sem a definição correta, certamente eles não terão a definição certa do que significa a morte. Para os mundanos a vida está no mundo e a morte é o fim, por isso eles querem comer e beber, porque vão morrer. Para Paulo o viver era Cristo, portanto, o morrer era lucro. Não é diametralmente diferente essa definição? Creio que vale a pena examinar esse texto para nossas vidas.
        Será que essa verdade pode ser experimentada na vida de cada crente? Essa não foi uma experiência particular de um apóstolo que andava particularmente com seu Senhor? Não fomos nós chamados a um viver simples e normal aqui? Se realmente estivermos prontos para examinar as coisas do ponto de vista bíblico, então notaremos que Paulo era semelhante a nós em tudo. Paulo era um homem cercado de tentações; Paulo teve a mesma salvação que nós tivemos e habitaremos no mesmo lugar onde ele está agora – no céu.
        Digo mais, que seu ensino em Filipenses é para que possamos assegurar em nosso viver que é esse o gozo da vida cristã diariamente. Paulo exortou os salvos para que eles se alegrassem no Senhor. Além disso, todos os crentes têm a vida que há em Cristo; foram semelhantemente salvos e habita neles o Espírito Santo (Efésios 1:13). Seguindo essas verdades comuns a todos os santos, eis que cada um de nós pode sim experimentar o que realmente significa: “...o viver é Cristo e o morrer é lucro”. Que esse texto de Filipenses venha nos encher de santo prazer; que sejamos tomados de coragem em viver pela fé, seguindo os moldes das Escrituras. Nós somos o povo de Deus, os salvos são os chamados para a glória, e Deus nos deixou aqui, a fim de que pudéssemos neste mundo gozar as maravilhas da vida que há em seu Filho. Foi essa a verdade que encheu o coração daquele homem de Deus. Ele passou por lutas, provas, tentações, dores, fome e outras perturbações desta vida, mas mesmo assim pode confessar francamente: “...para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro”.

DISPOSIÇÃO ATEISTA DOS HOMENS (9)



              
“Diz o insensato no seu coração: Não há Deus. Corrompem e praticam abominação; já não há quem faça o bem” (Salmo 14:1)
OS PROPÓSITOS OCULTOS DO CORAÇÃO MANIFESTADOS: “... praticam iniquidades”.
        Estou chegando à parte final dos meus comentários sobre o tema acima, tendo como base uma exposição do Salmo 14, no interesse de mostrar aos meus leitores que ser ateu não é algo meramente acadêmico, ou uma confissão verbal de que Deus não existe. Tenho procurado mostrar que para Deus ateísmo é algo prático. Minha esperança é que esses fatos venham a iluminar os corações, trazer temor e mostrar a realidade do que significa depravação total. Agora é o momento para que vejamos no texto os propósitos que estão ocultos no coração, e como são manifestados. A frase “...praticam abominações...” revelam o objetivo daquilo que intitulo aqui de ateísmo prático.
        Num rápido resumo, todo propósito do ateísmo é andar sem Deus no mundo. Já falei sobre isso, que a incredulidade vil quer tirar o Deus da verdade, quer extirpar todo pensamento e ensino acerca dele. Por que fazem isso? O verso acima responde com clareza: “...corrompem e praticam abominação...”. O alvo do poder do pecado no coração é corrupção. O caminho da iniquidade não pode conter nada da verdade eterna, conforme nos foi revelada nas Escrituras. Os homens querem verdade, desde que sejam verdades daqui mesmo. Mas a força e liderança do pecado no íntimo estabelecem que tudo à frente deve ser corrompido. A ausência de Deus significa corrupção.
        Mas eu sei que muitos podem contestar tudo o que tenho falado aqui. Eles podem argumentar, dizendo que há muitas pessoas excelentes no mundo, as quais jamais se corromperam. Veja bem, não estou falando da vida social; não estou dizendo que todos vão roubar, matar, adulterar e praticar outros atos abomináveis. De fato, tem muitos no mundo que são pessoas de um viver excelente; são pessoas trabalhadoras e responsáveis. Porém, não estou tratando de vida social, mas sim do homem não salvo em relação a Deus. Sem a glória da salvação; sem o temor do Senhor no íntimo; sem terem passado da morte para a vida, eis que tudo é corrompido. Quando o viver não tem em vista a glória de Deus, tudo o que tem no caminho é iniquidade. Não foi assim nos anos e dias que precederam o dilúvio? Nem todos os homens eram perversos e perigosos. Muitos eram ativos, trabalhadores e faziam o que era normal. Mas morreram em seus pecados. O que quero dizer é que se tudo aquilo que faço, falo, penso, etc. não for banhado da glória de Deus, então tudo isso é corrompido pelo pecado. É como uma boa refeição que está contaminada.
        Vale a pena refletir bem no viver ateísta, visto que tudo o que ele pensa, faz e por onde anda é iniquidade. A primeira lição que aparece, é que o ateísta prático arranca do viver a perfeita lei de Deus. Quando o coração não dominado pela graça, é certo que a lei do pecado há de reinar e dominar. Não há um homem sequer, por mais respeitador que seja; por mais que tenha uma personalidade forte ou agradável, que não seja dominado completamente pelo pecado no íntimo. Milhares de homens no mundo só não tombam em terríveis e perversos pecados, porque são impedidos pela mão restrigindora de Deus. Quando são soltos, eis que suas “unhas e garras” aparecem, e assim eles mostram o quanto amam e se deleitam nesse lamaçal.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

O TESTEMUNHO DO SALVO NESTA VIDA (10 de 10)




“Cri, por isso falei. Estive muito aflito. Dizia na minha pressa: Todos os homens são mentirosos. Que darei ao Senhor, por todos os benefícios que me tem feito? Tomarei o cálice da salvação, e invocarei o nome do Senhor. Pararei os meus votos ao Senhor, agora, na presença do Senhor. Preciosa é aos olhos do Senhor a morte dos seus santos”. (Salmo 116:10-16).
                A VIDA CRISTÃ RICA DE ESPERANÇA: “Preciosa é aos...”
        Posso afirmar categoricamente que o verso 15 dá o toque final aos anseios do coração de uma alma convertida. Quando a alma está ligada a Cristo, eis que a visão do salvo vê infinitamente além daquilo que o mundo pode ver. No pecado os homens estão entre duas verdades apenas: Sua entrada aqui pelo nascimento e sua morte que fatalmente virá. Os olhos cegados pelo pecado não pode enxergar o que vem antes do nascimento, nem tampouco o que virá após a morte. O que ocorreu com o salmista foi que ele percebeu essas coisas, quando viu as consequências de sua conversão em relação ao mundo. Assim que ele consagrou sua vida e se dispôs pela fé a um viver obediente a Deus, eis que a esperança da glória encheu sua visão. Por essa razão ele cita o conhecido verso 15: “Preciosa é aos olhos do Senhor a morte dos seus santos”.
        Meditemos um pouco acerca da morte, porque à luz da nossa visão natural das coisas aqui, a morte é igual a todos. Essa é a conclusão do escritor do livro de Eclesiastes, porque em sua visão ele vê tudo abaixo do sol. Mas a fé nos faz ver o quanto a morte dos santos é diferente da morte do salvo. Quando observamos a palavra de Deus, eis que tudo muda e entendemos a vida de um ponto de vista diferente. A morte nos traz tristezas, nos envolve de luto, saudade e sofrimento no íntimo. Aqui nós choramos a perda de nossos entes queridos, mas o que Deus fala acerca disso? A resposta aparece nesse tão maravilhoso verso 15: “Preciosa é aos olhos do Senhor a morte dos seus santos”. Para Deus, quando um santo morre é algo agradável a ele.
        Incrível, mas essa verdade enche os corações dos santos da real esperança. Quando deixamos este mundo, realmente estamos indo definitivamente para nosso lar. Os santos são o povo de Deus; os santos compõem a família de Deus; os santos são aqueles que foram chamados na salvação para serem participantes da glória eterna. Quando Estêvão estava sofrendo a agonizante morte por apedrejamento, eis que o Senhor se ergueu do trono no céu, a fim de receber seu servo (Atos 7:56). O que isso significou para o salmista? Ele estava eufórico e convicto em sua consagração; estava certo que se aqui perdesse amigos, parentes e família, eis que ganharia infinitamente mais depois que deixasse este mundo.
        Veja o que Deus diz! Ele afirma que a morte dos santos é o acontecimento que enche seu coração de prazer. Seu povo participa da ressurreição; seu povo foi eleito para viver para sempre com ele em estado de perfeição. A família do povo de Deus está no céu e não na terra. Eles morrem fisicamente; seus corpos marcados pela corrupção voltam ao pó. Mas suas almas purificadas sobem rapidamente para o lugar preparado por Cristo no céu. Os santos são os filhos da ressurreição, conforme nosso Senhor afirmou: “...e eu o ressuscitarei no último dia” (João 6:44). Quando Moisés morreu, eis que aquele grande líder de Israel foi para usufruir sua liberdade. A morte o libertou de toda opressão, tristeza, angústia e dor. Não vale a pena consagrar nossas vidas ao Senhor?
        Mas, quão terrível é a morte do ímpio! O Senhor assegurou em Ezequiel que ele não tem prazer na morte do incrédulo. Que terrível verdade! Ele sabe o quanto as consequências são eternas, porque os ímpios são banidos da face de Deus. Não é o momento para uma conversão no coração? Não é o momento para que almas se voltem e se entreguem ao Senhor em sincero arrependimento?