terça-feira, 25 de julho de 2017

A DIFERENÇA ENTRE O JUSTO E O ÍMPIO (9)




“Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão” (1 João 3:10)
A DISTINÇÃO É VISTA NO RELACIONAMENTO FAMILIAR:       “...nem aquele que não ama seu irmão”.
        João vai mais além, para mostrar o quanto os justos mostram que são completamente diferentes dos ímpios, mostrando isso no relacionamento existente entre no meio do povo de Deus. A incredulidade vil e mortal de Caim já não mais podia aceitar o justo Abel, porque o caminho deste lhe direcionava ao Paraíso, enquanto o caminho daquele era mundano e seus atos provavam. Enquanto os homens estiverem no pecado, eles hão de amar o mundo com seus costumes e religião. Os mundanos sempre hão de se entrelaçar no viver aqui; seus atos sempre vão se combinar e eles vão se unir contra os santos de Deus.
        Para Deus só existem duas famílias: a de Deus e a do mundo. Jesus mesmo deixou bem esclarecido que a família dele era constituída daqueles que faziam a vontade do seu pai. Por isso quem é do mundo há de amar a família mundana, mas quem é de Deus há de amar a família de Deus. Notamos isso com ilustrações. Tomo como exemplo, a mulher de Ló mostrou que não amava o povo de Deus e não queria estar convivendo com Abraão e Sara. Assim que a oportunidade apareceu, eis que foi viver em Sodoma, onde amou aquele povo e ali morreu em seus pecados, juntamente com aquele povo iniquo. Mesmo sendo irmão consanguíneo de Jacó, Esaú não podia habitar com seu irmão, pois sua mentalidade era totalmente mundana. Judas podia andar com os discípulos e foi chamado de apóstolo, mas seu coração não pertencia ao Senhor e seu reino, pois não passava de um avarento, querendo conquistar o mundo para si.
        Na igreja de Deus não é diferente, porque os que são de Cristo há de mostrar amor intenso uns pelos outros. Os justos simpatizam com a justiça, por isso hão de se ajuntar a outros justos. O Espírito de Deus que habita nos salvos faz com que tenhamos interesses em nos unir com o povo de Deus na face da terra e lutar com eles e por eles. Eu moro aqui no Brasil, mas se for para a Alemanha, certamente irei procurar os verdadeiros crentes para estar junto, ter comunhão, ser edificado, edificar outros e adorar a Deus com eles. Vemos isso a partir do capítulo 13 de João que o Senhor, antes de sua crucificação, realmente queria estar a sós com os discípulos, a fim de passar-lhes toda instrução que precisavam. Para isso ele fez com que Judas batesse retirada e assim passou a mostrar aos seus servos o que iria acontecer até sua morte e depois da sua partida.
        Muitos incrédulos entram na igreja e participam do culto e da comunhão existente no meio do povo de Deus. Em Hebreus 6 o escritor sagrado mostra até que ponto pessoas não salvas recebem os benefícios do ambiente cristão: “...foram iluminados e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes d Espírito Santo, e provaram a boa palavra de Deus e os poderes do mundo vindouro” (Hebreus 6:4,5). Nem todos os que pertencem a uma igreja cristã são realmente crentes. A impiedade mundana é igual água, por isso entra em qualquer abertura. Os santos são conhecidos pela sua fé perseverante, enquanto os falsos crentes sempre voltam atrás quando encontram obstáculos à frente.
        Por essa razão é que a igreja é tão importante. Eu mesmo já lidei com muitos, cuja fé parecia de ouro, mas logo que chegou a provação da palavra, eis que voltaram para o lugar que tanto amavam. O lugar dos mundanos é o mundo, enquanto o lugar do povo de Deus é com a família teremos para sempre, porque foram comprados todos pelo mesmo sangue remidor.

CÂNTICOS QUE PROCLAMAM A SALVAÇÃO (8)




“Cantai ao Senhor um cântico novo, cantai ao Senhor todas as terras. Cantai ao Senhor, bendizei o seu nome; proclamai a sua salvação, dia após dia” (Salmo 96:1-6)
AS RAZÕES DA ADORAÇÃO A DEUS (vs. 4-6)
        A nossa adoração ao Senhor deve se aprofundar, a fim de que venhamos a conhecer nosso Deus melhor e adorá-lo com mais fervor e temor. Adoração a Deus sem que o conheçamos conforme sua revelação bíblica pode levar a erros gravíssimos, por causa da nossa profunda ignorância, e certamente seremos culpados disso. A falta da mensagem da cruz, do arrependimento e consequentemente do temor ao Senhor tem trazido ruína aos cultos, de tal maneira que pastores têm procurado meios mundanos para encher os cultos com fervor carnal.
        O que devemos fazer? A solução é que apelemos para a verdadeira fé, a fé bíblica, porque são os que creem que se apoderam da verdade e que avançam no conhecimento do Deus que se revelou a nós em sua palavra. O pecado encobre o conhecimento de Deus; o pecado que anula a visão correta da glória de Deus. Os santos devem avançar no conhecimento prático do Senhor, porque quanto mais crescermos nisso, certamente daremos a ele o culto certo, racional e bíblico. Se não formos humildes em aprender dele e viver para a glória dele, certamente tramitaremos em trocar a glória dele por nossa glória. Que venhamos a ter extremo cuidado com isso, porque Deus zela e vela pela sua glória; seu nome está infinitamente acima de nossos pobres e levianos interesses.
        Também, a vaidade deste mundo ignora a glória de Deus e o Deus de toda glória. O mundo está fora da bíblia; o mundo desconhece a revelação, por isso o mundo não pode participar da adoração a Deus, mesmo que venha com todos os seus instrumentos e inteligência, nada disso terá qualquer valor ou aceitação perante o Senhor. O mundo é cego, inútil e completamente endurecido, e o que oferece é tudo dirigido aos seus ídolos. Somente e tão somente os crentes podem não somente adorar a Deus, como também aprofundar essa adoração. Quando nossos olhos começam a perceber as lições bíblicas acerca de Deus; quando somos envolvidos com o fato das maravilhas da salvação que brotou no coração de Deus desde a eternidade e que se agiganta para o futuro infinito à nossa frente, eis que tudo isso deve ser transformado em cânticos de alegria e de uma fervorosa adoração. Por essa razão nossos cultos devem estar cheios de todo nosso ser e força para dar nosso melhor por aquele que nos amou e há de nos amar para sempre.
        Se nosso viver anterior consistia em adorar nas coisas vãs deste mundo, não devemos agora estar motivados em santo temor para oferecer a Deus nosso ser? Os crentes de Tessalônica, quando passaram a conhecer o Deus vivo que lhes amou tanto, eis que eles deixaram os ídolos, a fim de servir ao Deus vivo e verdadeiro (1 Tessalonicenses 1:10). Os crentes devem lançar fora toda preguiça, toda timidez, todos os interesses mundanos, a fim de oferecer o melhor para o Senhor em adoração. Todo nosso coração, mente, emoção e corpo, tudo entregue no altar, a fim de que todo nosso ser proclame sua glória, sua salvação, sua santidade, seu imenso amor, etc. Em nossos cultos, os verdadeiros cânticos devem se associar a mensagem que há de ser pregada. O Senhor está presente com seu povo, por isso todos nós devemos estar ali, dando nosso ser àquele que veio nos buscar e nos salvar do castigo eterno.





segunda-feira, 24 de julho de 2017

CÂNTICOS QUE PROCLAMAM A SALVAÇÃO (7)




“Cantai ao Senhor um cântico novo, cantai ao Senhor todas as terras. Cantai ao Senhor, bendizei o seu nome; proclamai a sua salvação, dia após dia” (Salmo 96:1-6)
A ADORAÇÃO DEVE SER CONFORME A VERDADE (vs 3,4): “...proclamai a sua salvação”.
        Devemos ter cuidado com aquilo que emitimos em nossas canções a Deus, porque se não estiver com o apoio da verdade revelada não passa de mentiras. Cânticos assim não transmitem adoração, mas sim profanação, como acontecia com Israel nos dias de Isaías. O conteúdo de nossas mensagens cantadas deve estar cheio daquilo que Deus realiza neste mundo, operando sua salvação dia a dia. Tenho ouvido as músicas atuais e vejo o quanto trazem destruição à verdadeira espiritualidade aos cultos, onde Deus deve ser adorado com nossa inteligência e onde nossas emoções devem dinamizar o louvor ao Senhor.
        As músicas modernas em sua maior parte não transmitem a verdade conforme aprendemos na salvação bíblica. O que elas fazem é procurar enfeitar o ambiente com emoções, tirando a razão. O sistema de cânticos do mundo é assim, porque os mundanos cantam sem qualquer razão, entoam mentiras, e o mundo gosta disso porque serve como entretenimentos para suas festas e paixões. Mas o culto a Deus não tem o mesmo objetivo; não vamos à igreja para curtir emoções e sentir que Deus está nos apoiando e aceitando aquilo que declaramos quando cantamos.
        Os santos se reúnem em temor ao Senhor; os santos se estribam na verdade da tão grande salvação, conforme vemos no texto acima: “...anunciai a sua salvação”. Nossas vozes se unem para engrandecer a Deus pela sua obra gloriosa por meio do seu Filho. Fomos tirados das trevas para a maravilhosa luz; mediante essa redenção tornamo-nos herdeiros de Deus e caminhamos juntos para o céu. Nossos cânticos devem proclamar essa salvação e o mundo deve ouvir essa verdade. Não cantamos badalação; não tentamos de forma vã sacudir o céu com novidades; não tentamos persuadir Deus de que nós somos o máximo em amá-lo mais. Deus não se agrada disso, mas sim daquilo que comunica suas obras no meio das trevas. Não tiramos do mundo para enfeitar nosso sistema de adoração, mas sim do próprio altar do Senhor.
        Outro detalhe é que o fervor da adoração deve elevar sua glória. O mundo que nos rodeia deve saber acerca dessas verdades que envolveram nosso viver: “Anunciai entre as nações a sua glória...”. Os verdadeiros crentes podem comunicar essa verdade. Os que vivem na iniquidade devem ficar fora; os que não têm a paz com Deus vão falar o que? Aqueles que não foram purificados pelo sangue do Senhor estão com seus corações cheios da imundície do pecado. Suas consciências estão culpadas, então vão ficar em silencio. É possível ver que nos cultos, quando vão cantar uma música que nada tem a ver com a salvação bíblica, muitos ficam mudos. Não há neles qualquer alegria em proclamar a verdade que veio da cruz e que enche de satisfação os corações santificados.
        Enfim, nossos cultos devem se ocupar com a glória de Deus; nossos cânticos devem ser agradáveis a ele, devem ser feito como sacrifícios de louvores, brotados de lábios que confessam o nome do Senhor. Não estamos tentando satisfazer a multidão que lá fora vive à busca de emoções carnais; não estamos interessados em divertir o povo. Fomos salvos, arrancados desse sistema de mentiras, a fim de adorar ao Senhor, tributando-lhe a verdadeira adoração, conforme ele mesmo opera em nossos corações.

         

sábado, 22 de julho de 2017

TU ÉS O HOMEM!



                         
        “Então, disse Natã a Davi: Tu és o homem. Assim diz o Senhor, Deus de Israel...” (2 Samuel 12:7)
        Prezado amigo, da mesma maneira que o profeta Natã apontou a culpa de Davi pelo que ele havia cometido, assim também homens e mulheres modernos precisam saber que o dedo de Deus está apontado agora mesmo na face deles dizendo: “Tu és o homem!” Ó rebelde e soberbo, o dedo de Deus declara: “TU ÉS O HOMEM, OU A MULHER!”.
        Mesmo que agora tudo parece ser tão favorável e abençoado. Mesmo que agora o caminho parece estar livre, a fim de prosseguir em suas maldades; mesmo que agora nada apareça para atrapalhar seu caminho tortuoso. Ó adúltero e fornicário, o dedo de Deus aponta agora dizendo: “TU ÉS O HOMEM”, ou: “TU ÉS A MULHER!”. Eles hoje correm e se escondem na escuridão; eles acreditam que Deus está abençoando e favorecendo seus prazeres pecaminosos e destruidores de famílias. Mas, não há de tardar, para que chegue aquele momento aterrorizante; quando o Senhor há de por um ponto final nesse caminho depravado.
        Ó homem avarento e ganancioso, o peso do dedo de Deus está agora apontando a tua culpa: “TU ÉS O HOMEM!”. Tu és o homem que usou o Nome do Senhor em vão, a fim de obter lucros desonestos; tu és o homem que conquistou fama e riquezas, sendo aparentemente piedoso, evangélico e enganando a multidão incauta. Ó bêbado e viciado: “TU ÉS O HOMEM!”. Quanta destruição tens causado ao teu lar! Quanto sofrimento tens levado para filhos e esposa, tudo porque te ocupaste em encher teu cálice com miséria. Chegou o tempo da minha ira e eu te peguei: “TU ÉS O HOMEM!”
        Ó amante da mentira! Ó seguidor de falsos mestres! “TU ÉS O HOMEM!” ou “TU ÉS A MULHER!”. Tiveste medo de seguir o caminho estreito e preferiste negar o Senhor da glória. Eis que chegou o momento quando serás lançado nas trevas eternas com todos os mentirosos.
        Meu caro amigo, a Palavra de Deus age assim. Portanto, não há como escapar da verdade. A lei de Deus está agora declarando: “TU ÉS O HOMEM!”, que quebrou a lei de Deus; que caiu em Adão e que é condenado. Mas eis que a mensagem chega para declarar que “TU ÉS O HOMEM!” bem-aventurado, achado pela graça, para ser lavado, perdoado e purificado pelo sangue do Filho de Deus, crendo nele como seu Senhor e Salvador.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

CÂNTICOS QUE PROCLAMAM A SALVAÇÃO (6)




“Cantai ao Senhor um cântico novo, cantai ao Senhor todas as terras. Cantai ao Senhor, bendizei o seu nome; proclamai a sua salvação, dia após dia” (Salmo 96:1-6)
AS RAZÕES DA ADORAÇÃO A DEUS (vs. 4-6)
        Os versos 4-6 nos levam às razões da adoração a Deus. O avanço do ateísmo e do humanismo tem enchido este mundo de ignorância religiosa. O mundo já é por natureza ignorante, mas a situação fica terrivelmente crítica quando vemos essa indiferença à glória de Deus dentro das igrejas. O que temos hoje é uma manifesta queixa contra Deus e a vitimização dos homens, como se Deus fosse culpado da desgraça pela qual os homens passam. Em Israel foi assim nos dias dos grandes profetas Isaías e Jeremias. Faltava à nação o temor a Deus e nem mesmo as advertências dos servos de Deus mudavam a situação. Eles estavam endurecidos e obstinados contra Deus; acreditavam que estavam certo e Deus estava errado.
        Mas o fato é que a fé genuína e biblicamente racional se apercebe da grandeza de Deus. Os verdadeiros crentes se humilham perante a grandeza de Deus, enquanto a incredulidade se ergue na disposição de não dar a ele a glória que lhe é devida. Esse espírito de arrogância e de desprezo a Deus aparece para encobrir a glória do Senhor, como ocorreu no templo em Jerusalém nos dias de Ezequiel. Nós os crentes não estamos livres desse perigo e se afastarmos da verdade que nos foi entregue, certamente cairemos nas armadilhas. Satanás quer encher as igrejas evangélicas de uma suposta adoração a Deus; ele quer que pensemos que estamos adorando a Deus, sem que percebamos que o pai da mentira que está sendo adorado. Que o Senhor em sua misericórdia venha visitar seu povo e nos livrar dessa grossa camada de vaidade que tem tapado os olhos da multidão.
        A primeira verdade da qual devemos nos apoderar é que tudo em nós e ao nosso derredor proclama a grandeza de Deus. O pecado entrou em nosso ser para eliminar a glória de Deus, conforme vemos em Romanos 3:23. Não somente somos cegos para a realidade das coisas, como a natureza corrompida recusa dar a Deus a glória que lhe é devida. Toda nossa estrutura física interna e externa revela a glória de Deus. Realmente somos milagres vindos do Criador, porque não há possibilidade de que os homens imitem essas coisas. Sendo assim, os crentes devem ser consagrados inteiramente a ele. Nossa voz, nossos pensamentos, bem como cada item de nossos corpos. Essa consagração não é algo facultativo, mas sim deve o normal no viver.
        Mais do que isso, tudo em nós mostra que é loucura dedicar nosso ser ao mundo e aos ídolos. A fé nos faz voltar ao bem senso; a fé bíblica nos acorda, nos tira desse ambiente que empurra milhares à destruição eterna. Somos do Senhor em cada detalhe e à medida que meditamos nisso somos tomados de um intenso prazer e santo temor. Usar nossos corpos como instrumento da iniquidade é uma atitude louca e imbecil. É dar ao pecado a glória que pertence ao Senhor. Nossas bocas devem estar cheia de seus louvores; nossas mentes devem ser o santuário da verdade bíblica; nossas emoções devem estar fervendo de sentimentos santos e puros.
        Enfim, nosso corpo inteiro deve ser a casa de Deus, a fim de que adoremos ao Senhor, firmados em sua verdade revelada. Assim nossos cultos serão cultos agradáveis a ele: “...que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” (Romanos 12:1).