sexta-feira, 24 de março de 2017

PLENA SATISFAÇÃO EM CRISTO (9 de 10)

“Alegrai-vos no Senhor e regozijai-vos, ó justos; exultai, vós todos os que sois retos de coração” (Salmo 32:11)
AMPLIANDO A SATISFAÇÃO NA SANTIDADE DE DEUS: “...exultai vós todos os que sois retos de coração”.
        Afirmo mais que a salvação santificou a vida dos salvos. Não foi uma mera salvação; não foi um mero ingresso dado para que as pessoas pudessem entrar no céu após a morte, mas que vivessem aqui como mundanos e carnais. A salvação é uma obra completa na vida do salvo; ele se torna mais do que um cidadão do céu, como também um filho de Deus pelo novo nascimento; ele também passa a ter uma nova natureza que o impele a amar a justiça e odiar a iniquidade; ele também passa a ter seu corpo como o lugar de habitação do Espírito Santo, o qual lhe guiará em toda verdade e na verdade. São tantas bênçãos em Cristo (Efésios 1:3), que não há palavras que possam descrever as maravilhas da graça que envolvem a vida do crente para todo sempre. Então, é certo que tudo isso chegando a um coração regenerado, sem qualquer dúvida há de ser motivo de exultação para o salvo: “...exultai vós todos os que sois retos de coração”. Só não pode haver exultação se a alma não foi visitada pela obra salvadora da graça; se o coração ainda permanece endurecido e obstinado contra Deus e contra sua verdade que nos foi revelada.
        Posso assegurar também, que agora o viver social há de participar dessa exultação. Olhemos a festa deste mundo; vejamos a alegria, o prazer que os mundanos encontram naquilo que simplesmente passa. Veja como eles estão prontos a gastar naquilo que devolve só tristeza, separação, solidão e morte, porque tudo aqui passa. Mas quando os salvos se exultam naquilo que receberam em Cristo, eis que o mundo sente as bênçãos dessas maravilhas. Estou certo que o aroma da santidade é a maior riqueza que os salvos podem oferecer ao mundo. Onde há homens e mulheres retos de coração, sem dúvida tudo transmite sinais de verdadeira vida e os homens sentem seguros. O que acontece em nossos dias é que a corrupção trazida pelo pecado faz os homens perversos e felizes na maldade e malícia. Mas os atos perversos dos homens são lançados fora quando os retos se manifestam em coragem e intrepidez.
        Os verdadeiros fundamentos do viver começam a surgir e tudo o que é bom é erguido no palco deste mundo, quando os retos se manifestam. Mesmo que foi lançado no cárcere, não há dúvida que José, mediante a graça lançou o firme alicerce da retidão, da pureza e da justiça na casa de Potifar (Gênesis 39). O rei Dario percebeu a importância de Daniel em seu reino, por isso não hesitou em punir aqueles que com mentiras queriam a morte do servo do Senhor. A retidão daquele amado crente trouxe um reinado de justiça para Dario, porque ele pode confiar num homem que manifestou sua retidão e coragem para servir a Deus.
        Sendo assim, eis que os crentes sinceros têm motivos para celebrar essa santa festa no coração. Eles são as pessoas mais felizes do universo; eles entenderam que em Cristo são os reis e príncipes, os quais um dia vão reinar com Cristo. Não são escolhidos pelo mundo para reinar e nem mesmo querem as honras desta vida. O Senhor um dia voltará, a fim de por um ponto final no reinado de miséria e dor do diabo. Um dia o Senhor há de estabelecer a justiça no universo e há de lançar no lago de fogo todos os instrumentos do mal, tanto os homens perversos e incrédulos, quanto os anjos caídos.
        Agora é o momento de nossa exultação! Agora a nossa festa no coração faz com que cantemos os hinos de louvores ao Senhor! Agora marchamos para Sião com nossos corações cheios de júbilo, porque o Senhor nos salvou e nos tornou herdeiros seus pela graça!

quinta-feira, 23 de março de 2017

PLENA SATISFAÇÃO EM CRISTO (8)

“Alegrai-vos no Senhor e regozijai-vos, ó justos; exultai, vós todos os que sois retos de coração” (Salmo 32:11)
AMPLIANDO A SATISFAÇÃO NA SANTIDADE DE DEUS: “...exultai vós todos os que sois retos de coração”.
        Mas o Espírito de Deus nos leva às profundezas dos mistérios da graça salvadora, porque agora veremos que além da justiça, fomos também santificados: “...vós que sois retos de coração”. A justiça de Cristo nos proporcionou a bênção maior de conhecer o fato que a retidão dele foi posta em nosso coração; que agora sim, amamos a justiça e odiamos a iniquidade. A perfeita e grandiosa salvação realmente purificou nossos corações e limpou nossas mãos, de tal maneira que poderemos sim mostrar ao mundo que somos diferentes no viver; que a retidão faz parte da nossa vida; que agora nossas mãos servem para servir; que agora nossos lábios não proclamam mais a mentira e que nossos pés provam sim que andamos por caminho santo.
        Digo mais, que os justos são retos de coração. Antes tentávamos ser por fora o que não éramos por dentro. Mas nossos lábios eram nutridos do veneno proveniente do coração, nossas bocas era um poço da perdição, mesmo tentando ser religioso e praticando o bem. A alma lá dentro se achava tão torta, por isso que nosso andar era como de um bêbado, pois nossos caminhos provavam essa condição tão triste do nosso coração. Mas a salvação em Cristo realmente santifica o homem com a perfeita provisão da cruz, de tal maneira que nada mais é necessário. Tudo provém das riquezas adquiridas pelo cordeiro de Deus ali. O homem justificado tornou-se reto de coração. Ele não está brincando; o mundo deixa o tempo passar para ver se o que ocorrera com Saulo é verdade, até que ele comece a pregar em Jerusalém que Cristo é o Filho de Deus. Ali está aquele homem tão acostumado a mentir, a ser depravado e cheio de intenções impuras no coração. Mas agora todos percebem que algo incrível aconteceu, pois seu modo de andar é de alguém que avança dia a dia num caminho diferente – o reto caminho; todos percebem que a vida dele é assim e que ele não muda.
        O que realmente aconteceu? Foi algo realizado pelo Deus que opera milagres, a fim de que ele mesmo seja glorificado. Como pode! A santidade de Deus passou a fazer parte de alguém que antes odiava santidade. Deus imprime na vida de homens e mulheres a vida que há somente no Filho. Em Adão tudo o que vemos é miséria, num caminhar que aos poucos a iniquidade vai mostrando o quanto transborda o coração de maldade. Em Adão os homens revelam o quanto o mundo é um lindo lugar, tão favorável às aplicações das energias dadas pelo pecado. Em Adão o homem é alguém adaptado para andar nesta vida, transbordando de vaidade. Mas em Cristo tudo mudou e agora o viver assemelha a do Filho de Deus.
        Ora, toda essa verdade é ajuntada no coração e funciona como luzes que fazem a festa do coração funcionar diariamente. Eis aí a festa feita pelos retos de coração: “Exultai, vós todos os que sois retos de coração”. Ninguém mais é convidado para esse acontecimento na alma, só os retos de coração. Eles são participantes da santidade de Deus; eles são os que conhecem as maravilhas da formosura de Deus; eles sabem o quão maravilhosa é a graça que lhes salvou; o quanto a face de Deus é cheia de bondade, ternura e misericórdia. Por essa razão eles exultam. É uma festa de humildade; é a alegria do Senhor que lhes dá força e eles então estão prontos para brilhar e irradiar essa retidão de Deus mundo. Como este mundo está de parabéns! Como este mundo pode sentir de perto as preciosidades da Nova Jerusalém! Como os santos de Deus podem mostrar que a presença deles no mundo faz com que a corrupção é arrancada e assim todos usufruem dessa presença bendita do Senhor, por meio dos salvos.

O TOQUE SALVADOR DE JESUS (4)

“E eis que um leproso, tendo-se aproximado, adorou-o, dizendo: Senhor, se quiseres, podes purificar-me. E Jesus, estendendo a mão, tocou-lhe, dizendo: Quero, fica limpo! E imediatamente ele ficou limpo da sua lepra” (Mateus 8:1-3)
INDO À FONTE INEXGOTÁVEL DA GRAÇA: “E tendo aproximado”.
        Os pecadores arrependidos devem saber o quanto o Senhor está perto e pronto para salvá-lo, mesmo sendo os homens tão abarrotados de pecado, numa condição vil e amaldiçoadora. O leproso se aproximou do Senhor e a verdade mais preciosa é que o Senhor não se afastou. Essa é a lição mais importante que os homens precisam ouvir. O grande Deus – Homem não se distancia dos homens, porque sua face é cheia de ternura e seu coração ferve de intensa compaixão pelos perdidos. Afinal, ele veio ao mundo com esse objetivo de ser o perfeito mediador entre Deus e os homens.       Então, como Homem perfeito ele entende esses seres que em Adão caíram; ele entende o que significa ser homem e sabe por experiência tudo o que significa miséria do pecado. O Senhor não admira aparências, nem culturas, nem condição social, para ele não há acepção de pessoas. Para ele os homens todos estão em plena igualdade. Ele não ficou impressionado com a posição de Herodes, nem se derreteu ante a força dos religiosos daqueles dias. O homem sempre foi visto pelo Senhor no coração, e foi isso que ele deixou claro aos discípulos. O que importa para ele não é a fachada externa, mas sim a atitude do coração. Aquele homem rico se aproximou do Senhor querendo impressioná-lo, mas o que Jesus fez foi mostrar a sua condição no coração, por isso aquela alma iludida no pecado logo se afastou triste, ferido em seu orgulho próprio (Lucas 18:18-24).
        Então, homens e mulheres precisam conhecer essa majestosa atividade da graça salvadora. O meio evangélico moderno procura proclamar que todos estão bem com Deus, que todos são filhos e que o pecado é apenas um problema que pode ser solucionado com oração, reza, louvores e atividades sociais. Eles estão procurando encobrir o estado de imundície dos homens, mas tudo isso não passa de ser satanás levando as almas numa prisão ainda mais terrível, porque não há algo mais perigoso para os pecadores do que estar iludidos no orgulho do diabo, sendo cheios de justiça própria. O Senhor não está perto, nem sequer se aproxima dos homens, quando eles estão vivendo assim, tapando seus ouvidos, a fim de não ouvir a verdade conforme as Escrituras nos mostram.
        Assim como aquele leproso se aproximou humildemente do Senhor, assim também homens e mulheres devem se humilhar, reconhecendo sua miséria no pecado e na condição de réus, prontos para serem atirados no inferno. O Senhor Jesus se humilhou para alcançar os humilhados; ele tem prazer em falar com homens e mulheres que estão assim; sua mão de graça e poder se estende para alcançar tais pecadores; seus olhos miram com ternura e compaixão os pecadores que desejam essa tão grande salvação. E ele chega carregado de perfeita provisão, a fim de conceder-lhes as riquezas infinitas da salvação que foi conquistada na cruz.
        Sendo assim, posso afirmar que se alguém está à procura do Senhor, querendo dele a purificação e perdão completo dos seus pecados, é certo que é tal pessoa está sendo atraída por ele. O autor de uma tão grande salvação se apresenta como amigo, salvador e Senhor dos pecadores. Na bíblia ele não se apresenta aos arrogantes, soberbos, mesmo sendo religiosos. Isso de nada serve para o Senhor. Para tais pessoas o Senhor simplesmente os entrega à disposição deste mundo cheio de engano. Não é o momento agora tão precioso para alguém que está com intensa sede e fome da verdade? Não é o momento para que pecadores sejam alcançados e realmente purificados de toda miséria na qual o pecado lhes deixou?

quarta-feira, 22 de março de 2017

A ALMA SE SATISFAZENDO EM CRISTO (7)

“Alegrai-vos no Senhor e regozijai-vos, ó justos; exultai, vós todos os que sois retos de coração” (Salmo 32:11)
ENCONTRANDO MOTIVOS NA JUSTIÇA PARA A SATISFAÇÃO:         “...regozijai-vos, ó justos...”
        Há motivos grandiosos na justiça de Cristo em nós, para que regozijemo-nos no Senhor. Sei que minhas palavras são tão débeis para explicar essas maravilhas que a graça nos concedeu. Mas farei todo esforço, a fim de entusiasmar a fé dos crentes, para que pensem, meditem e se atirem nessas riquezas da tão grande salvação. Fomos colocados neste mundo para servir ao Senhor na justiça (Romanos 6:18). Não é nossa justiça, ela foi descartada e colocada fora como trapo. Os santos foram espiritualmente despidos de todo vão pensamento e de toda religiosidade vã; suas emoções controladas pela carne e embasada pelas mentiras religiosas foram queimadas como palhas secas, assim que conheceram o precioso ensino de que foram aceitos na justiça de Cristo. Esse assunto brilhou tanto no coração de Paulo que ele desembaraçou-se de tudo aquilo que pensava e como vivia anteriormente, a fim de conhecer seu Senhor e Salvador de uma forma mais aprofundada (Filipenses 3).
        Também, a justiça de Cristo nos santos na salvação resultou no fato que agora eles são chamados de filhos de Deus (João 1:12), por isso são os herdeiros do reino celestial. Que privilégio dado aos santos! Nem mesmo os crentes sabem o que realmente lhes aguarda na glória; nem sequer imaginam as maravilhas achadas na tão grande salvação. Essas honras são celestiais e não terrenas. Eles representam os cidadãos do reino eterno e não dessa morada transitória e perecível deste mundo. Os mundanos se enchem de regozijo, porque só acham felicidade aqui. Eles vibram quando se esbarram nas riquezas, assim como Judas sentiu alegria ao receber as trinta moedas de prata. Mas os santos de Deus não vivem de promessas inúteis, como os mundanos. Eles foram aceitos no Filho, portanto, o que é do Filho de Deus é deles também. Por isso a fé encontra base sólida e inabalável na palavra para regozijar no Senhor.
        Veja bem o que a salvação trouxe ao povo eleito! É verdade que o mundo tenta fechar o cerco contra os santos; é verdade que eles se tornaram motivos do intenso ódio do pai da mentira, mas a verdade é que essas disposições carnais voltadas contra eles só realçam o regozijo ainda mais. Os sofrimentos e angústias deste mundo servem para extrair mais felicidade. Veja os crentes na aflição, porque parece que brilham mais. O que eles são na salvação o mundo não pode entender, mas eles entendem pela fé. As verdades recebidas da palavra não evaporam com o tempo; aquilo que é ensinado pelo Espírito e recebido no coração tende a santificar o coração e renovar a alma. Ora, tudo aqui, até mesmo o ambiente tão hostil deste mundo, tudo vem para assegurar o fato que os crentes pertencem a Cristo para sempre e que há imensa alegria registrada em seus corações. O falso crente sempre vive saudando o mundo e declarando que seu coração está grudado nele. Por essa razão não demora que ele abandona o ambiente cristão e foge para saudar o presente século.
        Então, ó justos, não há milhares de motivos para seu regozijo no Senhor? Não há motivos santos e inabaláveis para que vocês sejam as pessoas mais alegres aqui? Não há motivos maravilhosos para viver diariamente nessa certeza da segurança que vocês têm no Filho? Vejam bem que Deus o Pai não poupou o Filho, a fim de obter vocês; que na cruz foi tanto amor que agora nada pode separar vocês do amor de Deus? Não há razão suprema para que vocês deem o melhor de vocês para que ele seja glorificado através de suas vidas?

O TOQUE SALVADOR DE JESUS (3)

“E eis que um leproso, tendo-se aproximado, adorou-o, dizendo: Senhor, se quiseres, podes purificar-me. E Jesus, estendendo a mão, tocou-lhe, dizendo: Quero, fica limpo! E imediatamente ele ficou limpo da sua lepra” (Mateus 8:1-3)
INDO À FONTE INEXGOTÁVEL DA GRAÇA: “E tendo aproximado”.
        A lição mais gloriosa que temos é que Deus está ocupado em salvar homens e mulheres da sua condição tão terrível na qual se encontram, devido ao pecado. Não podemos esquecer que sua missão ao vir ao mundo foi para salvar e não para melhorar este sistema físico e passageiro. É claro que a imensa bondade do Senhor tem enchido este mundo, mostrando o quanto o Senhor é rico em compaixão, e que mesmo os homens sendo tão miseravelmente culpados ele age com ternura, provisão e cuidado. O fato que ele cura não significa que curou a todos os enfermos em Israel. Enquanto este mundo estiver sob o domínio do diabo, do pecado e da morte, não há como remover toda essa miséria que tanto corrompe os homens aqui.
        Mas a lição que nos atrai no texto é a forma como aquele leproso chegou a Jesus: “E tendo se aproximado...”. Com clareza vemos sua humildade e reconhecimento da glória do Filho de Deus. Ele sabia pela fé que ali estava o próprio Deus em carne; sabia que ele era o todo-poderoso. Por essa razão aproximou-se sem qualquer alarde, mas com uma simplicidade incrível, demonstrando firme e real confiança no Senhor. Que lição maravilhosa nos é dada pela atitude daquele leproso! É exatamente assim que o pecador deve chegar a Cristo para ser salvo. Como pode o homem se aproximar do Senhor? Normalmente os que estão interessados em curas e milagres agem como pedintes, os quais se afastam assim que recebem a esmola. Mas não age assim o pecador que vai ao salvador, justamente porque é Deus, em sua graça que opera esse poder que impulsiona homens e mulheres a buscar sua salvação em Cristo.
        Ora, nosso Senhor deixou esse ensino bem esclarecido à nossa mente. Ele declarou aos judeus que o trabalho de fazer o pecador ir a ele para receber vida eterna pertence ao Pai (João 6:37). Que lindo e maravilhoso ato da soberania de Deus! Homens e mulheres caminhando na direção do Filho? É algo impossível para a arrogância natural do coração imundo do homem. Em João 6:44 nosso Senhor afirma que é impossível para o homem ir a Cristo, a não ser que Deus, o Pai o mobilize à essa ação. Sabemos que não há nada no homem natural que o mova a uma decisão para buscar a salvação. Em 1 Coríntios 2:14 o Espírito Santo usa Paulo para afirmar que as coisas de Deus para o homem natural não passam de loucura. Sendo assim, como podemos esperar que eles, por decisão própria queiram ir a Cristo? Eles correm impetuosamente para todas as direções neste mundo, menos para cima. Seus olhos estão cegos, por isso não podem ver a glória do grande salvador; seus sentimentos estão afetados pelo pecado, por isso sofrem e se apaixonam pelas coisas desta vida; seus pensamentos estão mergulhados em terrível escuridão, por essa razão tudo o que pensam e que sai da boca revela apenas vaidade e completa ignorância.
        Eu sei o quanto é difícil para os homens entender e aceitar esse ensino, e a razão é porque os homens já nascem formados na faculdade da mentira. É Deus quem abre os olhos da fé; é Deus quem desperta o pecador do seu estado de morto espiritual; é Deus quem opera a fé no coração, de tal maneira que o Salvador é visto e buscado para a salvação. Nosso Senhor declarou que todo o for a ele, jamais será lançado fora. Que festa da graça! Que maravilhoso amor do Senhor! Em sua compaixão ele não despacha o pecador para longe, assim como não repreendeu o leproso. Seu amor o fez aproximar-se e lidar com uma alma cheia de doce confiança e fé naquele que provou seu amor pelos perdidos.

terça-feira, 21 de março de 2017

PLENA SATISFAÇÃO EM CRISTO (7)

“Alegrai-vos no Senhor e regozijai-vos, ó justos; exultai, vós todos os que sois retos de coração” (Salmo 32:11)
ENCONTRANDO MOTIVOS NA JUSTIÇA PARA A SATISFAÇÃO:        “...regozijai-vos, ó justos...”
         Mas o texto nos leva mais longe em achar satisfação somente em Cristo. Veja a ordem que nos é dada pelo Espírito Santo: “...regozijai-vos, ó justos...”. Que lição maravilhosa! Agora o texto mexe com todos os crentes em Cristo; todos os que realmente creram em Jesus e que foram salvos são despertados para olhar para seu salvador e mirar sua glória e a grandeza dessa salvação. Os crentes são chamados de justos: “...ó justos”. Não fazem parte dessa festa os meros religiosos; não são chamados os hipócritas nem incrédulos, porque eles não podem e nunca vão achar em Jesus qualquer motivo para regozijar. Não há fé neles para essa festa; seus olhos espirituais estão fechados e seus corações lacrados pela obstinação e dureza. Eles têm o mundo e a religião mundana, a fim de promover aquilo que eles acham que é motivo de alegria e prazer, mas que lida apenas com a euforia enganosa da carne.
         No texto eis que o Espírito da glória convoca os salvos, os que acharam a paz com Deus, porque foram reconciliados mediante o sangue e estão para sempre livres da ira vindoura. São eles os que receberam vida eterna, por isso pertencem a Deus como filhos e ao reino de Deus como herdeiros. Então, a ordem faz sentido: “Regozijai-vos, ó justos...”. Que festa! Tudo agora é visto pela fé na verdade, por essa razão esse regozijo não pode ser visto nem entendido pelos mundanos. A fé mira o invisível e os crentes podem meditar e entender tudo o que ocorreu com na redenção. A nossa história está sublinhada na cruz; miramos aquilo que para o mundo é loucura, porque vemos que nosso Salvador, o Justo Senhor morreu em nosso lugar, tornando assim nosso legítimo substituto, para que pudéssemos estar completamente livre da condenação eterna. A justiça dele nos foi imputada, de tal maneira que Deus nos aceitou como inocentes, livres de qualquer acusação, como diz a frase de um antigo hino: “Eu salvo das penas eternas já sou!”.
         Como justos, agora podemos entender que estamos livres, que os grilhões do pecado e da morte foram arrancados de nós pelas chaves da redenção. Agora os santos estão livres do grande acusador, daquele que antes nos mantinha aprisionados em seu mundo, mas que ficava de tal maneira oculto, disfarçado, não permitindo que víssemos quem ele realmente era. Antes achávamos que éramos inocentes e que Deus era culpado; antes críamos que havia em nós poder e graça, além de capacidade para nos erguer neste mundo em felicidade. Estamos livres da ira de Deus, porque o próprio Filho nos amou tanto, a ponto de ocupar nosso lugar, para sofrer sobre si a terrível fúria de Deus ali na cruz. Foi ali que o Cordeiro foi assado sob a fúria da ira santa e justa do Senhor. Quem pode contar esse amor?
         Também, os justos foram libertos para sempre das maldições da santa lei. Ela, tão perfeita fez seu perfeito trabalho em mostrar o quanto  estávamos aquém da glória de Deus e quanto realmente merecíamos ouvir seus gritos de “malditos!” Aquele que não conheceu pecado entrou em nosso lugar, viu nosso desespero e sofreu sobre si as maldições da lei, tornando ele mesmo maldição em nosso lugar. Eis aí os justos! O mundo pode escrever a história deles? Não! O mundo odeia essa justiça, da qual estão revestidos e nem sequer pode tolerá-los. Incrível, mas homens e mulheres que antes eram marcados como filhos da ira, agora foram feitos em Cristo herdeiros do céu. Então, diante dessas verdades reveladas, eis que eles podem sim, com toda segurança e determinação regozijar no Senhor. Não há neles mesmos qualquer motivo para regozijo, mas no Senhor eles podem achar. Então, podem começar a festa agora mesmo.

O TOQUE SALVADOR DE JESUS (2)

“E eis que um leproso, tendo-se aproximado, adorou-o, dizendo: Senhor, se quiseres, podes purificar-me. E Jesus, estendendo a mão, tocou-lhe, dizendo: Quero, fica limpo! E imediatamente ele ficou limpo da sua lepra” (Mateus 8:1-3)
A SITUAÇÃO NATURAL DO HOMEM NO PECADO: “leproso”
        A lepra era a enfermidade mais temida daquela época, por isso a sociedade judaica tinha costumes com os quais podiam lidar com os leprosos. Em Levítico 13 e 14, dois grandes capítulos são dados para instruir os sacerdotes para lidar com aqueles que foram contagiados com essa mortal enfermidade. Eles não eram banidos da sociedade para serem segregados num local isolado, pelo contrário, como vemos no texto de Mateus 8, aquelas pobres criaturas andavam por todos os lugares, normalmente esperando que pessoas lhes ajudassem com alimentos. O que acontecia é que eles eram ensinados a falar a todos de sua condição, a fim de que todos se afastassem. Quando Jesus ordenou aos seus discípulos que fossem às cidades de Israel para pregar o evangelho do reino, uma das suas funções era purificar os leprosos (Mateus 10:8). Isso significa que nosso Senhor sempre lidou com pessoas nessa condição, usando de intensa compaixão com elas, mesmo que esses atos não foram revelados nos evangelhos.
        Mas todo nosso interesse aqui está fixado na lepra como sendo o mais poderoso símbolo do pecado. A lepra tomava o corpo inteiro, assim também o pecado tomou o homem em sua totalidade. Enquanto a lepra física afetava apenas o aspecto externo da pessoa, eis que o pecado assumiu o homem tanto por fora como por dentro. Em Levítico 13 vemos que o sumo-sacerdotes procurava sinal da lepra a partir da cabeça, enquanto o pecado é a partir do coração: “É do coração do homem que procede...” Marcos 7:21). Usar a lepra como símbolo do pecado não mostra todos os terrores do pecado, porque a pessoa podia ficar infectada por contágio com alguém que estava enferma, enquanto o pecado nós já nascemos com ele: “Eu nasci na iniquidade e em pecado me concebeu minha mãe” (Salmo 51:5). Então, quando comparamos a lepra com o pecado, vemos o quanto é terrível o pecado, porque a lepra podia provocar a morte física, enquanto o pecado tem consequências aqui e para sempre no sofrimento eterno. Quão bondoso é nosso Senhor, pois nos mostra essas verdades para nosso bem.
        Eu sei que a sociedade atual está tão inerte em suas paixões; o pecado tem dopado e lesado as almas de tal maneira, que os homens nada sentem da miséria e desgraças que envolvem suas vidas aqui e dos terrores que lhes virão após a morte. Os homens atualmente, devido ao intenso trabalho enganador dos falsos mestres, têm tido suas consciências cauterizadas, por isso nada sentem, e procuram fugir e achar um lugar onde podem se esconder quando estão sendo molestados pelas fincadas da lei. Nada, nada mesmo pode despertar os pecadores quanto à condição na qual estão em seus pecados, por isso comem, bebem e levantam para farrear em suas iniquidades. Foi essa a situação da nação judaica nos dias de Isaías, pois Deus descreve a situação espiritual da nação como sendo infectada da cabeça aos pés (Isaías 1:6).
        Ora, ninguém procura um médico quando nada sente; ninguém clama por socorro quando tudo parece estar bem; ninguém pede alívio quando nada sente. Assim os homens no pecado nada vão querer acerca do Salvador, enquanto Deus mesmo não revelar a terrível condição na qual se encontram. Cristo Jesus veio ao mundo para estender sua mão e socorrer a alma aflita, o coração que sangra por ter afrontado a Deus e pela condição de réu culpado. O leproso se aproximou de Jesus. O perdido, cego e cheio de aflição quer agora mesmo achar o Salvador e a salvação.